Browsed by
Author: Angela Wilson

Preciso Contratar um Contador para Declarar meu IRPF?

Preciso Contratar um Contador para Declarar meu IRPF?

O imposto de renda é uma taxa que deve ser paga e declarada anualmente pior determinadas pessoas. Os contribuintes precisam declarar dados dentro do prazo e é necessário que tudo esteja nos conformes.

Com tantos dados a declarar e detalhes importantes, é normal se perguntar quanto a necessidade de contratar um contador para declarar o IRPF. Mas será que é mesmo necessário?

O que é o imposto de renda?

Como mencionado, o imposto de renda deve ser declarado anualmente. O recurso representa a declaração dos rendimentos tributáveis do contribuinte no ano em questão.

Vale lembrar que o IR é separado entre pessoas físicas e empresas. Para quem vai contribuir como a primeira categoria, o benefício é o Imposto de Renda para Pessoa Física (IRPF). A segunda categoria é denominada Imposto de Renda para Pessoa Jurídica (IRPJ).

Após a declaração e as devidas deduções dos seus gastos, pode ser que fique um valor disponível a ser retornado para você. Este recurso se chama restituição do IR e todo contribuinte deve estar ciente dele antes de cumprir com o Imposto de Renda 2019.

Precisa de um contador para declarar o IRPF?

A grande dúvida quanto ao imposto de renda é se a sua complexidade demanda a contratação de um profissional de contabilidade. Bem, atualmente foi desenvolvida pela Receita Federal e pelo Governo Federal uma ferramente que facilitou muito a vida de quem precisa declarar o IR.

Esta ferramente é um programa que pode ser instalado no seu computador ou notebook e que é utilizada para que você realize a sua declaração sem grandes problemas. Quem vai declarar o IR nos próximos meses, é importante verificar o programa do Imposto de Renda 2019.

Quem ainda não está familiarizado com o imposto de renda pode julgar necessária a contratação de um cotador em sua primeira declaração. Mas no geral, o profissional é mais recomendado para quem irá declarar o IRPJ, ou seja, empresas.

Como contratar um contador?

Existem muitos profissionais da área que trabalham por conta própria e você pode encontrar alguns anúncios na internet, em jornais, ou através de contatos.

Uma outra possibilidade é contatar uma agência de contadores e requirir um profissional para os serviços que você precisa. Os preços podem variar de uma agência para outro, por isso, esteja atento. É importante lembrar que o IR deve ser declarado dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal.

Como funciona a declaração da poupança no Imposto de de Renda

Como funciona a declaração da poupança no Imposto de de Renda

O imposto de renda é uma declaração e uma taxa anual muito importante que deve ser cumprida dentro do prazo. Os processos do IR são muito específicos e por isso, acabam gerando muita dúvida nos cidadãos. Uma das maiores questões quanto ao imposto é o funcionamento da declaração para a poupança. Quer saber como realizar o processo? Leia o texto a seguir e saiba.

O que é o imposto de renda?

O imposto de renda é um tributo federal sobre a renda do trabalhador ou empresa. Este recurso deve ser pago e declarado anualmente dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal.

O dever é dividido em duas categorias, sendo elas o Imposto de Renda para Pessoa Física (IRPF) e o Imposto de Renda para Pessoa Jurídica (IRPJ).

Anualmente, o servidor terá um prazo para organizar e declarar o seu imposto de renda. Não cumprir ou omitir dados para a Receita Federal pode render uma grande dor de cabeça para você, então é preciso estar atento ao imposto de renda 2019.

Como funciona a declaração da poupança?

É muito importante informar seus dados corretamente e não deixar de declarar seus bens, por isso, é fundamental estar ciente de como declarar a sua poupança.

Você deverá realizar o processo na parte de “Bens e Direitos” da sua declaração, código 41. Enquanto os rendimentos da caderneta de poupança precisam ficar explícito na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

O valor deve ser informado pela soma de ambos, da poupança e do rendimento, por exemplo: R$ 42.250 + R$ 3.100. Fique atento aos valores mínimos!

Quem precisa declarar?

Nem todo mundo precisa realizar a declaração do imposto de renda. Portanto, se você não sabe se precisa ou não cumprir com o IR confira as informações a seguir:

  • Contribuintes que receberam no último ano rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70;
  • Quem tiver rendimento tributável acima de R$ 40.000,00;
  • Quem possuir rendimento anual proveniente de atividade rural superior a R$ 128.308,50;
  • Contribuintes que obtiveram lucro através de investimento em bolsa de valores e atividades semelhantes;
  • Aqueles que possuem bens, terrenos, imóveis, entre outros, com o valor superando R$ 300 mil;
  • Trabalhadores que acabaram optando por isenção no imposto de renda por intermédio da venda de imóveis.

Mas é importante lembrar que todos os valores podem ser modificados pela Receita Federal de um ano para outro! Se você precisa realizar a declaração do IR, faça o download do programa de declaração da Receita e fique atento às datas!

Quais as principais diferenças entre a declaração do imposto de renda pessoa física e jurídica?

Quais as principais diferenças entre a declaração do imposto de renda pessoa física e jurídica?

O Imposto de Renda é obrigatório e deve ser declarado anualmente por quem se encaixa nos requisitos do mesmo. Você já deve saber que o IR se divide em duas modalidades, são elas o IR para pessoa física e o IR para pessoa jurídica.

Nem todo mundo sabe diferenciar estas modalidades do Imposto de Renda. E se você querer entender melhor as principais diferenças entre elas, confira o texto abaixo e fique por dentro:

O que é o Imposto de Renda?

O imposto de renda é uma declaração anual dos investimentos tributáveis que deve ser minunciosamente realizado e pago pelo contribuinte. A declaração é muito importante e precisa ser realizada anualmente.

O IR se divide em duas categorias de declaração: o IRPFque corresponde ao Imposto de Renda para Pessoa Física, e o IRPJ, que corresponde ao Imposto de Renda para Pessoa Jurídica, no caso das empresas.

Além da declaração obrigatório, ambos devem fazer as deduções dos tributos. Vale lembrar que existem requisitos para definir o que pode ser deduzido do IR ou não. Não cumprir com as regras do imposto pode levar o contribuinte ou empresário a cair na malha fina. Por isso, é importante ficar bastante atento na hora de deduzir as despesas.

Mas afinal, o que difere esta divisão? Estas categorias do imposto de renda são bem diferentes e para entender melhor cada uma delas, continue lendo:

Quais as principais diferenças para pessoa física e pessoa jurídica?

Número de Inscrição

Mesmo tendo as suas semelhanças, a PF e a PJ são juridicamente diferente. A pessoa física irá dispor de um número de CPF, cadastrado na Receita Federal. Enquanto isso, a pessoa jurídica possuirá um número de inscrição diferente, denominado CNPJ.

Restituição do Imposto de Renda

Quando o contribuinte paga o imposto e os cálculos de deduções de tributos é realizado, pode ser que ele tenha pago a mais ou a menos pelo IR. Neste caso, pode ocorrer a restituição IRAmbas as categorias tem direito ao recurso, mas para pessoa jurídica a restituição é mais burocrática.

Prazos Diferentes

Como você já deve saber, existe um prazo limite, estipulado pela Receita Federal, para realizar a declaração do seu imposto de renda. Estas datas são diferentes para pessoa física e pessoa jurídica.

Alíquotas Distintas

As alíquotas de cada imposto são recolhidas de maneira singular. Para a pessoa jurídica, o valor é calculado a partir de diferentes formas de lucro, podendo variar entre 6 e 15%.

Passo a passo para fazer as inscrições do Encceja

Passo a passo para fazer as inscrições do Encceja

O Encceja é a oportunidade que muitas pessoas esperavam para concluir uma etapa importante de ensino. Com a realização da prova, aqueles que obtiverem pontuação dentro da média poderão emitir o certificado de conclusão do ensino fundamental e ensino médio. A inscrição para o exame acontece meses antes da prova.

Conheça o Encceja

O Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) é promovido pelo INEP. O objetivo da prova é avaliar o conhecimento de jovens e adultos. Considerando que o exame é destinado a esse público.

A finalidade é conceder diploma aos que obtiverem pontuação satisfatória. O certificado comprova a conclusão no ensino fundamental e médio. No entanto, pode ser feito somente por pessoas acima de 15 anos para o fundamental e acima dos 18 anos para o médio.

Esta é uma prova totalmente gratuita e voluntária. O cadastro é feito na página do participante no portal do INEP. Disponível dentro do calendário de etapas do exame.

Conteúdo aplicado no Encceja

Afim de conquistar o desejado certificado, os candidatos precisam criar um cronograma de estudos para obter uma nota satisfatória.

Segundo o site oficial do Encceja, os conteúdos aplicados são:

Para o ensino fundamental:

  • Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes, Educação Física e Redação;
  • Matemática;
  • Historia e Geografia;
  • Ciências Naturais.

Para o ensino médio:

  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Redação;
  • Matemática e suas Tecnologias;
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

Os conteúdos foram definidos com base na grade curricular nacional.

Inscrição Encceja

Para realizar o processo de Encceja inscrição, os interessados devem seguir o cronograma de cada etapa divulgado pelo INEP.

A inscrição é gratuita, e acontece normalmente no mês de Abril. Enquanto que a prova deve ser feita em agosto, em um único dia. Os locais para a realização do exame também será divulgado no INEP.

Para realizar sua inscrição siga os passos:

  1. Acesse o site do INEP e clique e insira suas informações pessoais. Como número de CPF e data de nascimento;

  • Preencha outros dados para dar continuidade ao processo de inscrição. Inclusive, a escolha do local de prova.

Depois que realizar sua inscrição, poderá acessar a página do participante e verificar todas as informações sobre a prova e resultado.

 

Informe-se aqui sobre quais motivos podem te levar a perde a CNH

Informe-se aqui sobre quais motivos podem te levar a perde a CNH

A carteira nacional de habilitação é um documento muito importante e de porte indispensável para os motoristas. Você sabia que existem algumas situações que podem levar você a perder a sua habilitação para dirigir? Para não acabar perdendo a sua carteira de motorista, informe-se aqui sobre quais motivos podem te levar a perder a CNH e saiba como evitá-los.

Além de perder o direito de dirigir legalmente, cometendo infrações no trânsito você pode estar sujeito a uma pendência muito cara com o Detran. Portanto, o melhor a fazer é evitar infringir as leis de trânsito e manter a sua carteira de motorista em dias.

Vale lembrar que a perda da CNH é temporária. Você deverá entregá-la ao agente responsável e então será determinado quanto tempo ela ficará suspensa e quanto de multa você terá que pagar.

Confira abaixo o que pode fazer com que a sua CNH seja suspensa:

Limite de pontos na carteira

As infrações de trânsito são divididas em categorias, indo das mais brandas às mais graves. Cada infração possui uma pontuação a ser marcada na sua carteira. Quando atinge o limite de 20 pontos em um curto período de tempo, você pode perder temporariamente o direito de dirigir.

Você deve estar atento às infrações de teor grave e gravíssimo, pois geram mais pontos na carteira. Estar com os documentos atrasados pode render sete pontos, portanto esteja atento às datas do IPVA 2019.

Outra infração que gera pontos na carteira é não estar sob porte da CNH ou dos documentos obrigatórios. Uma solução apra este problema tão comum, é a aquisição da CNH digital que promete facilitar a vida dos motoristas.

Dirigir ameaçando pedestres

Dirigir pelas ruas e avenidas de forma perigosa e ameaçando a vida de outras pessoas é o tipo de infração que faz com que a CNH do motorista seja automaticamente suspensa.

Isto quer dizer que, mesmo que não disponha da pontuação máxima (20 pontos) na sua carteira, se cometer este ato, a pessoa estará sujeito a perder o direito de dirigir.

Dirigir sob a influência de álcool

Se for submetido ao teste do bafômetro e for comprovado que o motorista estava dirigindo sob o efeito máximo de álcool, ele pode perder a sua habilitação, além de ter o seu carro rebocado.

Além desta situação, existem outras que podem levar ao mesmo destino, como exceder em 50% o limite de velocidade, disputar corrida, praticar manobras perigosas com o veículo, entre outras.

Como consultar débitos do veículo no Detran SP?

Como consultar débitos do veículo no Detran SP?

Você sabia que estando com débitos pendentes no DETRAN fica inviável para você realizar o licenciamento do seu carro? O licenciamento comprova que o seu veículo está apto para circulação nas ruas e deve ser realizado todo ano. A realização do licenciamento é obrigatória e para cumprir este documento requerido é necessário pagar todos os impostos solicitados e não ter multas em aberto.

Não sabe se foi multado ou quer saber como consultar débitos do veículo no DETRAN SP? Veja a seguir o que você deve fazer.

Como consultar débitos do veículo no Detran SP?

Como mencionamos acima, taxas pendentes podem impedir a realização do licenciamento do seu veículo e inclusive, gerar multas. Portanto, fique atento ao pagamento do IPVA SP e das taxas obrigatórias requeridas na região. Você sabia que o atraso na quitação das taxas obrigatórias irá gerar multas e acréscimo de porcentagem de juros? Considerando isso, não deixe de conferir às datas de pagamento do IPVA SP e evite o acúmulo de dividas.

Consultar as suas pendências no DETRAN é simples e rápido! Você pode acessar as pendências do automóvel através da placa do mesmo no link de licenciamento online. Entre no site do DETRAN SP e forneça suas informações, assim como as do seu veículo. Após finalizar seu cadastro, você pode escolher se quer fazer a consulta através do número da placa ou do RENAVAM.

Pronto! Você terá acesso às suas pendências e também às informações do procedimento de regulamentação do licenciamento para que o seu automóvel possa circular normalmente.

Como quitar débitos pendentes?

Ao acessar as suas dividas com o DETRAN online, você também poderá gerar novos boletos de pagamento.  Mas por que é preciso gerar outro boleto? Pode acontecer acréscimo de juros e correção monetário no valor de sua dívida por conta do atraso da quitação, portanto, você precisará gerar uma nova guia de pagamento.

Também é possível que você escolha a forma de pagamento que melhor condiz com sua situação, podendo ser à vista ou parcelado. Com a nova guia em mãos, basta ir até uma casa lotérica, agência bancária ou até, utilizar o internet banking do seu banco para realizar o quitação.

Quanto mais rápido você sanar o problema, menor será a taxa de juros cobrada e menor será o risco do seu carro ser apreendido por não estar com o licenciamento correto. Para evitar uma situação desconfortável, não perca os prazos de pagamentos dos impostos obrigatórios!

Saiba aqui se você tem direito ao Bolsa Família!

Saiba aqui se você tem direito ao Bolsa Família!

O maior programa de distribuição de renda do Brasil, o Bolsa Família foi criado no ano de 2004 e assessora mais de 13,9 milhões de famílias que vivem em situação de pobreza e/ou extrema pobreza a superar a situação de vulnerabilidade.

O Programa garante às famílias uma melhor qualidade de vida, como o direito à alimentação e o acesso à educação e saúde, realizando o pagamento de um valor em dinheiro de acordo com a classe de salário de cada família.

O Bolsa família atualmente é administrado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e possui reconhecimento internacional por ter sido um programa bem-sucedido na distribuição de renda.

Como funciona o Bolsa Família?

O Bolsa Família, como em qualquer outro Programa, possui regras que destinam-se selecionar as famílias mais necessitadas no País. Por via de regra, as famílias que se encaixam nessas regras precisam fazer um cadastro no CadÚnico (ou Cadastro Único) na prefeitura de sua cidade ou na unidade de atendimento do programa mais próximo de sua residência.

Após fazer o cadastro, o sistema do programa analisa todos os dados que você preencheu e checa as informações prestadas. Em seguida, se o cadastro for aprovado, o programa emite um cartão magnético pessoal e intransferível em nome do chefe da família que é enviado para o endereço informado no ato do cadastro para que a família passe a receber o benefício.

Todos os anos o valor que as famílias cadastradas recebem do Bolsa Família é reajustado de acordo com o valor do salário mínimo, o que garante que o brasileiro não perca o poder de compra devido à inflação dos produtos. Por isso é preciso ficar atento ao reajuste do salário mínimo 2019.

Quem tem direito ao Bolsa Família?

As famílias que desejam ser beneficiadas pelo Bolsa Família precisam estar em conformidade com os requisitos exigidos no CadÚnico. Os valores pagos pelo Programa variam de acordo com a situação da família que são classificadas em três modalidades. São elas:

  • Benefício Básico: Famílias que estão em condições de pobreza extremacom renda mensal de até R$ 85,00 por pessoa;
  • Benefício Variável: Famílias que são classificadas na faixa da pobrezacom renda mensal de até R$ 170,00 por pessoa, e que exista na família crianças e/ou adolescentes menores de 16 anos, gestantes ou lactantes;
  • Benefício Variável Jovem: Famílias em situação de pobreza e extrema pobreza que tenham adolescentes de 16 e 17 anos.

É importante lembrar que as famílias em situação de extrema pobreza podem acumular os benefícios Básico, Variável e Variável Jovem, caso estejam de acordo com as regras estabelecidas.

Se a família pertence ao grupo de Benefício Básico, o valor a ser pago é de R$ 85,00 por mês. Se atende aos requisitos do Benefício Variável, o valor pago é de R$ 39,00 para cada membro. Nesse caso é possível cadastrar no máximo 5 membros diferentes, podendo chegar até R$ 195,00.

Já o valor do Benefício Variável Jovem é de R$ 46,00 mensais, onde pode ser acumulado até dois benefícios, ou seja, R$ 92,00.

Para receber os benefícios as crianças devem estar devidamente matriculadas e frequentando a escola. As mulheres grávidas também podem receber até 9 parcelas do benefício (R$ 39,00), caso a gravidez seja identificada até o nono mês de gestação com o pré-natal completo.

É preciso Enem para fazer um curso Pronatec?

É preciso Enem para fazer um curso Pronatec?

Os cursos gratuitos do Pronatec ofertados pelo Governo Federal são uma boa chance de conseguir a profissionalização do Brasil. São ofertados para a baixa renda com material de graça e professores qualificados em escolas técnicas de todo o Brasil. Para conseguir uma vaga é preciso cumprir alguns pré requisitos. Saiba mais sobre eles a seguir. 

É-preciso-Enem-para-fazer-um-curso-Pronatec?
É preciso Enem para fazer um curso Pronatec?

Como funciona o Pronatec?

A sigla Pronatec define o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, parceria entre o Governo Federal e o Ministério da Educação. Já está em atuação no Brasil há mais de 6 anos e até o momento não há indícios de ser finalizado. 

O que o programa oferece são cursos técnicos focados exclusivamente em formar mão de obra no Brasil. São cursos focados em áreas de interesse do mercado, onde um trabalhador capacitado está ausente ou há maior oferta que procura de candidatos a ocupar as vagas.

O Pronatec foi criado com alguns objetivos. Dentre eles é dá uma chance ao trabalhador de se recolocar no trabalho de acordo com a necessidade das empresas e indústrias.

Também ajuda o jovem ou adulto de baixa a renda a ter acesso à educação sem necessitar pagar por altos custos. Como vagas no ensino superior público não são suficientes para todos e no privado as mensalidades são caras, os cursos do Pronatec são uma alternativa. 

Pré requisitos para fazer um curso do Pronatec

Para conseguir uma vaga nos cursos do Pronatec é necessário cumprir alguns pré requisitos. Para alguns alunos é uma boa notícia saber que não é necessário ter feito o Enem. Isso porque não é uma disputa para uma vaga no ensino superior. 

Os tipos de cursos oferecidos no Pronatec possuem pré requisitos diferenciados. O técnico profissionalizante do ensino médio necessita apenas do ensino fundamental concluído em rede pública e ser baixa renda. 

Já para os cursos de capacitação profissional pós ensino médio exige-se estar desempregado e ser baixa renda. Quem está desempregado há mais de dois anos não necessita ser baixa renda ou ter concluído em escola pública.

Em todos os casos não pode fazer parte de outros projetos educacionais do Governo Federal como ProUni e Fies. 

Onde fazer cursos do Pronatec?

Os cursos gratuitos Pronatec são oferecidos em salas de aula de escolas técnicas em todo o Brasil. Dentre as principais parcerias estão as escolas SENAI e do SENAC, referências em ensino técnico no país. As duas instituições oferecem cursos apenas para o programa. 

Outras escolas técnicas do país também abrem as suas salas de aula e reservam vagas apenas para alunos do Pronatec. Ao contrário do que alguns podem pensar não foram construídas escolas técnicas apenas para o programa e sim usadas as já existentes com cursos novos. 

A matrícula do Pronatec é realizada na própria instituição de ensino pessoalmente. Para saber quais fazem parte é só acessar o portal da instituição.

Para os maiores de idade é necessário ter carteira de trabalho. Os interessados em cursos de ensino médio técnico devem ter apenas identidade e CPF. 

Carro novo ou usado: Qual investimento vale mais a pena?

Carro novo ou usado: Qual investimento vale mais a pena?

Alguns preferem sempre usados e outros nunca optam por carro que não seja 0 km. Mas para uma boa parte dos motoristas sempre perdura o dilema de qual seria o melhor: carro novo ou usado. Os investimentos são diferenciados, inclusive quando se trata de impostos. Avalie as opções a seguir.

Carro novo ou usado

Por que alguns preferem comprar carro novo?

Quem mora em grandes cidades como o Rio de Janeiro com certeza se assustou com o IPVA 2018  RJ de carros 0 km. São mais caros em comparação a um veículo usado e tiveram um aumento nos últimos anos. Contudo, a preferência pelo 0 km, saído da loja, ainda atrai os clientes por diversos motivos. 

Carros usados podem vir com vícios e constantemente são maquiados. Uma pintura nova e a troca de algumas peças pode esconder muito bem uma batida enorme, um dano no motor caro de reparar. O veículo pode estar circulando mas os defeitos vão surgir depois. A honestidade do anunciante é um dos pontos que levam muitos a preferir os novos. 

Outro ponto importante são os impostos. Quanto mais antigo é o carro mais barato fica o seu IPVA. Se o veículo está em boas condições não há motivo para optar por um novo e pagar mais caro. Muitos donos não rodam nem ao menos 30 km e já vendem porque querem apenas um carro para emergências. 

A garantia também é um atrativo. Algumas montadoras oferecem garantia de até cinco anos (caso da Toyota) para trocas e reparos. No caso do uso é por conta e risco do comprador. 

O que há de positivo em comprar carro usado

Nem todos sabem mas um carro desvaloriza muito ao sair da loja. Em apenas um ano ele pode perder mais de 10% do valor, então em muitos casos vale a pena não vender e o comprador de um modelo do ano anterior sai com uma enorme vantagem. O preço de venda acaba saindo mais em conta. 

Além de pagar impostos mais em conta os modelos mais populares também possuem peças mais baratas. Claro, não estamos falando de lançamentos de 10 anos atrás. Quanto mais antigo é o carro mais caras ficam suas peças. Mas com cinco ou seis anos de rodagem os custos são mais baixos que um modelo novo. 

O seguro do veículo também é bem mais barato. Os modelos já no mercado já mais de dois anos tendem a ser menos visados para roubo. Por isso as seguradoras cobram valores mais em conta e tendem a oferecer muitos descontos por quem opta por seguro de dois anos. 

Dicas para não se arrepender de comprar um carro

A decisão d comprar um carro exige uma análise criteriosa de diversos fatores. Muitos pensam apenas no consumo mensal de combustível e esquecem de gastos extras. Um bom exemplo são os impostos. Todos os anos é necessário pagar o IPVA ou o veículo estará inapto para circular nas ruas. 

Pesquise no mercado sobre as marcas mais fáceis de encontrar peças. Algumas importadas realmente não ajudam muito na manutenção e tornam o custo do veículo muito alto. 

9 Coisas para saber antes de começar a dirigir

9 Coisas para saber antes de começar a dirigir

Afirmar para um recém habilitado que dirigir é fácil é apenas um sonho. A maior parte das pessoas não gosta porque envolve uma série de atos para decorar e acertar na marcha. Mas depois que se aprende é tão simples que começa-se a questionar o porquê de tanto mistério. E para quem quer dicas, temos algumas a seguir.

9 Coisas para saber antes de começar a dirigir

Dicas de coisas para saber antes de começar a dirigir

Tudo o que você precisa saber sobre direção está na auto escola? Na verdade não. Apenas a prática do dia a dia torna um habilitado um bom motorista. A grande verdade é que as aulas de estacionamento, baliza e prática na rua são insuficientes para os diversos tipos de situações. Para ajudar temos 9 dicas do que você deve saber antes de se tornar um motorista.

1 – Para dirigir na rua só dirigindo

A melhor forma de aprender a dirigir de fato não é testando em ruas locais mas no trânsito intenso. A destreza de mudança de marcha, saber sinalizar e outras atividades corriqueiras que o ato de ser motorista exige só virá com prática. 

Existe um pensamento que algumas pessoas conhecem: as vezes é tão comum dirigir que a pessoa nem sabe como chegou em casa. Ela simplesmente chega. Com a prática o conhecimento vai chegar e será um ato memorizado e comum do motorista.

2 – Nem todas as vagas são fáceis de estacionar

As vezes todo o conhecimento de garagem e baliza em nada vai adiantar quando o companheiro do lado coloca o carro torto na vaga do estacionamento. Nestes casos é necessário ter conhecimento espacial do veículo, sua largura e altura. Também vai vir com o tempo.

Com o passar dos meses você vai saber facilmente se o carro cabe ou não ali.

3 – O GPS não vai ajudar em tudo

As vezes o navegador de bordo ou o aplicativo GPS demora a atualizar na mesma velocidade que o trânsito atualiza e pode te colocar em enrascadas. O ideal é saber o caminho memorizando mesmo porque em algumas situações como uma rua na contra mão, vias que não são mais acesso a carros ou locais não muito seguros.

O GPS não leva em consideração se uma zona é perigosa ou não apenas o trajeto mais rápido ao destino proposto. Lembre disso.

4 – Nem todos os carros são iguais

Antes de analisar os modelos de carros 2018 ou levar para casa passe um tempo em trânsito tradicional para saber se adaptar. Uma mudança de câmbio manual para automático é super tranquila, mas do automático para manual exige de novo uma prática. O tamanho do veículo também pode causar problemas em manobras e estacionamentos.

5 – Alguns veículos possuem a ré como primeira marcha

O câmbio dos veículos pode modificar o posicionamento e isso exige um pouco de prática e costume. Algumas pessoas se adaptam de pronto, outras não. 

6 – O consumo de combustível é mais intenso em algumas situações

Em alguns momentos o carro vai consumir mais e pode acabar o tanque. O ar condicionado ligado em um engarrafamento longo pode queimar bastante gasolina. Acelerar demais sem necessidade também, como descendo em uma ladeira.

A prática no dia a dia ajuda a ter boas práticas para evitar o consumo de combustível desnecessário.

7 – Carros 1.0 precisam de toda força para subir ladeiras

Pode perguntar aos amigos a quantidade de vezes que eles com um carro 1.0 desceram ladeira abaixo pelo carro não ter força. Motivo? Ar condicionado ligado, rádio, dentre outros. Dependendo da inclinação da ladeira é bacana abrir os vídeos e desligar o ar para subir. 

8 – As vezes as pessoas vão bater em você

Ser um bom motorista não livra o carro de acidentes. É comum e acontece, infelizmente. O melhor a fazer é enfrentar de uma forma agradável e ter seguro para evitar dor de cabeça. 

9 – Pense no tamanho do carro antes de comprar

Guardar um carro pode não ser um problema, mas nas ruas sim. Carros grandes exigem noção especial aguçada para evitar raspar em ruas apertadas, manobrar com cautela e nem toda vaga será possível. Pense nisso.